quinta-feira, 23 de junho de 2016

CEARÁ TEM 92 OBRAS PARALISADAS NOS MUNICÍPIOS SEGUNDO O FNDE



Segundo dados do Sistema de Transparência Pública do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE, referentes a obras pactuadas entre a autarquia e municípios e estados, como creches, escolas e quadras poliesportivas, 67 foram canceladas, 284 não foram iniciadas e 92 estão paralisadas em todo estado do Ceará.

Veja como andam as obras de sua cidade:
MARTINÓPOLE> 06 OBRAS
03 em execução, 02 concluídas e 01 não iniciada em processo licitatório;
GRANJA> 15 OBRAS
11 em execução, 02 concluídas e 02 não iniciadas em processo de contratação;
JIJOCA DE JERICOACAORA> 04 OBRAS
02 em execução e 02 concluídas;
CAMOCIM> 13 OBRAS
07 em execução e 06 concluídas;

BARROQUINHA> 04 OBRAS
01 em execução, 02 concluídas e 01 paralisada, esta ultima referente a construção de uma quadra na localidade de Araras com valor previsto em R$ 503.296,57, valor pago pelo FNDE R$ 100.659,31;

CHAVAL> 05 OBRAS
03 em execução e 02 concluídas;

MERUOCA> 05 OBRAS
01 em execução, 01 concluída e 03 paralisadas, destas algumas estão com mais de 50% de execução, o FNDE já destinou R$ 289.037,78;

MORAÚJO> 03 OBRAS
01 em execução, 01 concluída e 01 não iniciada;

MASSAPÊ> 09 OBRAS
04 em execução, 02 não concluídas e 03 não iniciadas as quais estão em reformulação;

SENADOR SÁ> 02 OBRAS
01 concluída e 01 não iniciada, esta, trata-se da cobertura de uma quadra escolar pequena na localidade de Serrota, valor previsto R$ 181.511,31, valor pago pelo FNDE R$ 36.302,26;

URUOCA> 07 OBRAS
03 em execução, 03 concluídas e 01 paralisada que refere-se a construção de um espaço educativo na localidade de Campanário, valor previsto de R$ 977.038,71, valor pago pelo FNDE R$ 214.948,53

SOBRAL> 39 OBRAS
16 concluídas, 15 em execução, 04 iniciadas, 02 paralisadas e 02 canceladas.
Veja AQUI como andam as obras de sua cidade


PRAZO PARA SACAR PIS/PASEP TERMINA DIA 30 DE JUNHO



Cerca de 1,6 milhão de trabalhadores ainda não sacaram o abono salarial do PIS/Pasep este ano. O prazo para resgatar o benefício, que corresponde a um salário mínimo (R$ 880), termina em 30 de junho, quinta-feira da próxima semana.

Têm direito ao abono salarial de 2015 as pessoas cadastradas no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos; com remuneração mensal média de até dois salários mínimos durante o ano-base de atribuição do benefício; e que exerceram atividade remunerada durante pelo menos 30 dias em 2014. Além disso, o trabalhador tem que ter seus dados informados pelo empregador (Pessoa Jurídica) corretamente na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS).

Antes de sacar o PIS, o trabalhador deverá verificar se o benefício não foi depositado diretamente na conta. Caso contrário, deve comparecer com o Cartão Cidadão e senha cadastrada nos terminais de autoatendimento da Caixa ou em uma Casa Lotérica.

Se não tiver o Cartão Cidadão, o beneficiado pode receber o abono em qualquer agência da Caixa mediante apresentação de um documento de identificação. Já os participantes do Pasep (Banco do Brasil), após verificar se houve depósito na conta, devem procurar uma agência do banco e apresentar um documento de identificação.
A quem e a que serve PIS/Pasep

O Programa de Integração Social (PIS) e o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) são contribuições sociais de natureza tributária, devidas pelas pessoas jurídicas, com objetivo de financiar o pagamento do Seguro-Desemprego e Abono Salarial.

O PIS é destinado aos funcionários de empresas privadas regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e o Pasep é devido aos servidores públicos. Os recursos que não são sacados retornam para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).
Com Folhagranjense


terça-feira, 21 de junho de 2016

JUSTIÇA SUSPENDE VENDA DE TERRENOS DE MARINHA NO MUNICÍPIO DE CAMOCIM



Ilha do Amor- Camocim/CE

O juiz Antônio Washington Frota, da 2ª Vara de Camocim, determinou, em antecipação de tutela, a indisponibilidade de quatro imóveis localizados em terrenos de marinha, que pertencem à União. Os bens são objeto de uma ação de partilha e estariam compreendidos nas áreas conhecidas como “Ilha do Amor”, “Ilha do Meio”, “Salina São Pedro”. O outro seria de propriedade da antiga Rede Ferroviária Federal Sociedade Anônima (Rffesa).

A decisão, proferida nessa segunda-feira (20/06), atende pedido formulado pelo Ministério Público do Ceará (MP/CE) em ação ordinária (nº 10299-10.2015.8.06.0053). O órgão ministerial alegou que os bens seriam terrenos de marinha e, portanto, integram o patrimônio da União. Argumentou também não existir declaração de propriedade dos imóveis.

Ao analisar o caso, o juiz destacou que “dentre as várias alegações do Ministério Público, reputo por mais grave a alegação de que parte da partilha amigável contempla em seu objeto bens públicos, por serem inalienáveis, indisponíveis, impenhoráveis e intransmissíveis, bem como risco de sua inserção no mercado de imóveis”.

O magistrado ressaltou ainda que “há fortes indícios que tornam verossímeis as alegações da parte autora [MP] no sentido de que foram partilhadas meras detenções de bens públicos e outros cuja existência não foram certificadas pelo Poder Judiciário ou pela serventia extrajudicial [cartório]”.

Na decisão, foi determinado prazo de 15 dias para que as partes apresentem contestação às alegações do Ministério Público.
(TJ-CE) 

SAIBA COM QUEM VOCÊ ESTÁ LIDANDO, NÃO VÁ OFENDER A PESSOA ERRADA.



Um pouco de História

No inicio do século 9, Xá Muhammad, (Xá é o título dos monarcas da Pérsia e do Afeganistão) conseguiu  formar um grande império que se estendia da Turquia ao Afeganistão, o centro deste império era  a grande capital asiática Samarkand, onde o Xá conseguia reunir um exercito imbatível de duzentos mil guerreiros.

Por volta de 1200, Muhammad recebeu em seus domínios um novo líder tribal do oriente, Gengis Khan. Trazia presentes finos do pequeno porem crescente império mongol de Khan, na intenção de reabrir a Rota da seda em direção a Europa, e amistosamente oferecia para dividi-la com o poderoso Muhammad, prometendo em troca desta parceria a paz entre os dois impérios.

O Xá não fazia idéia do potencial deste novo conquistador do Oriente, para o qual olhou com arrogância e desdém, julgando o inferior ignorou sua oferta. Khan tentou de novo, desta vez mandou uma caravana com cem camelos transportando os artigos mais raros que havia saqueado da China. Antes que a caravana chegasse a Muhhammad, esse mandou que um de seus governantes roubasse e ainda executasse os lideres enviados pelo Khan.
 
Gengis Khan estava certo que tudo tinha sido um engano, que o governante deveria ter agido sem a aprovação do Xá e lhe enviou novos emissários reiterando sua oferta de paz e cooperação mutua, dessa vez o próprio Muhammad mandou decapitar os emissários e mandou de volta ao Oriente com as cabeças raspadas – um insulto terrível, segundo o código de honra mongol.
 
Diante de tamanho insulto, Khan mandou uma mensagem ao Xá: “eu te ofereci paz e cooperação, mas você escolheu a guerra. E o resultado disso não sabemos, só o tempo dirá”.
 
Em 1220 ele mobilizou seus exércitos e conquistou uma das províncias do império de Muhammad. Aumentou, Treinou e aprimorou seus guerreiros, para no ano seguinte conquistar as demais províncias do grande e poderoso Xá, que foi obrigado a fugir deixando para traz seu império devastado. Gengis Khan tornou-se então o único Senhor de Samarkand, da Rota da Seda e da maior parte do Norte da Ásia.
 
Aprendendo com os Exemplos
 
Não pense jamais que a pessoa com quem está lidando é mais fraca ou menos importante que você. Algumas pessoas demoram a se ofender, o que pode levar a acharem que são submissos e não se preocupar em insultá-las, ou mesmo diminuí-las em sua capacidade, apenas pela demora em sua reação.

Não subestime as pessoas, a história nos mostra que a arrogância foi a ruína de muitos Impérios.
 
Se você quer se opor a alguém, é melhor agir com educação e respeito, não rejeite as pessoas insultando-as antes de conhecê-las melhor; você pode estar lidando com um Gengis Khan.

* Baseado no Livro 48 Laws of Power, de Robert Greene
(etceteraomnia.)