sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Prefeito eleito de Itapipoca no Ceará denuncia quadro de desmonte na saúde.

Doutor Dagmauro, eleito pelo PT, diz que onze unidades do Programa Saúde da Família (PSF) no município foram fechados desde segunda-feira, quando as dispensas foram oficializadas. Prefeito João Barroso (PSDB) nega situação.
Dagmauro e Geraldinho, prefeito e vice eleitos,
denunciam quadro de desmonte na área da saúde
O prefeito de Itapipoca, João Barroso (PSDB), é acusado de ter demitido 35 funcionários da saúde no Município, distante de Fortaleza 130 km, nos últimos dias. Ele, que não conseguiu eleger seu candidato à sucessão, estaria realizando desmonte do serviço público na cidade, segundo denuncia o vice-prefeito eleito, Geraldinho Azevedo (PDT), que também é o atual ocupante do cargo. Os dois romperam no meio do mandato. Barroso estaria querendo “inviabilizar a próxima gestão”, conforme Geraldinho e o prefeito eleito, Dagmauro Sousa Moreira (PT), que querem formar uma equipe de transição de governo.

Com a demissão dos 35 funcionários na segunda-feira (22), foram fechadas 11 unidades do Programa Saúde da Família (PSF). Segundo Dagmauro, se as unidades não voltarem a funcionar, Itapipoca pode ter verba do PSF cancelada pelo Ministério da Saúde. A cidade tem 26 PSFs, mas apenas 12 estão funcionando.
Geraldinho Azevedo acusa João Barroso de estar “realizando um verdadeiro desmonte do serviço público na cidade”. Geraldinho explica ter-se juntado à coligação “Juntos por uma Itapipoca para todos”, que venceu a disputa no dia último 7, após ser “exonerado”. Ele afirma que medidas preventivas precisam ser tomadas, pois as demissões seriam apenas o começo de “um desmonte de proporções maiores”. 
JustificativaO prefeito admite “problemas de transição”, mas diz que vai tomar todas as providências necessárias para evitar que fiquem dívidas para a nova gestão. Segundo ele, alguns cortes estão acontecendo, pois ele precisa evitar gastos no último mês de gestão. “Gastos no mês de dezembro só são pagos em janeiro”. João Barroso diz que não ficarão dívidas e, ao contrário, deve deixar “40 milhões de reais em caixa”.

Por quê

ENTENDA A NOTÍCIA

O prefeito João Barroso é acusado da prática de desmonte na cidade. 35 funcionários, entre eles 11 médicos, já teriam sido demitidos. O prefeito eleito, Dagmauro Sousa Moreira, deve recorrer ao Ministério Público.

Postar um comentário