domingo, 16 de dezembro de 2012

COMARCA DE BARROQUINHA IRÁ JULGAR GESTÃO POR IRREGULARIDADES ENCONTRADAS EM OPERAÇÃO DO TCM

Atraso na remuneração dos servidores, pagamento por obras não concluídas (assinaturas antecipadas de cheques) e processos licitatórios ilegais. Estas foram as principais irregularidades verificadas pela Operação Anti-Desmonte, promovida pela Procuradoria de Justiça dos Crimes Contra a Administração Pública (Procap) e pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).
A conclusão dos trabalhos foi apresentada, ontem, na sede do TCM. Foram levantados indicadores de crimes e improbidade administrativa no período pós-eleitoral em 39 municípios.
Agora, os processos serão ajuizados para as respectivas comarcas, a fim de que se julgue os casos de peculato, fraude de licitação e falsidade ideológica, na área criminal, e ainda a apropriação de recursos públicos e violação dos princípios constitucionais (moralidade, legalidade e impessoalidade), no âmbito da improbidade administrativa.
O balanço final da operação, que objetivou identificar problemas relacionados à prática conhecida como "desmonte", foi apresentado pelo presidente do TCM, Manuel Veras; o chefe da Procap, procurador José Maurício Carneiro; a procuradora do TCM, Leilyanne Brandão, e os promotores da Procap, Luiz Alcântara e Eloilson Landim. Ao todo, foram apresentados 125 mil folhas de documentos sobre as denúncias.
O procurador José Maurício Carneiro observou que foram verificadas irregularidades em todos os municípios fiscalizados pela operação conjunta, que teve início em 22 de outubro passado.
Como ações práticas, ressaltou que as atividades resultaram, de imediato, no afastamento dos prefeitos de Granja, Hélio Fontelenele e Uruburetama, Gilvan Pires Nunes, bem como foram impetradas ações civis públicas contra os prefeitos de Barroquinha, Ademar Veras e Chaval, Janaline Pacheco. A relação dos municípios relacionados se restringe apenas ao trabalho de fiscalização da força-tarefa do Procap e TCM.



Fonte: Diário do Nordeste


FIQUE SABENDO:

Atraso na remuneração dos servidores, pagamento por obras não concluídas (assinaturas antecipadas de cheques) e processos licitatórios ilegais.

O povo não merece isso. O povo infelizmente continua a ser enganado pelos falsos (Honestos).
Honestos que existem apenas nos discursos de palanques eleitorais. Eles não tem a honradez, o respeito e a moral de falar a verdade para o povo.
E não falam porque? Porque acham que se o povo souber da verdade, não vota neles e infelizmente é assim que tem acontecido.
Mas a justiça mostra, cedo ou mais tarde quem é quem. Cabe ao povo fazer o julgamento mais sábio e poderoso "NÃO VOTAR MAIS NESSES CALHORDAS".

Via Camocim Imparcial.
Postar um comentário