quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

MARTINÓPOLE: DA MORALIDADE E PROBIDADE ADMINISTRATIVA.


A administração da coisa pública pressupõe ética, probidade e honestidade. Aliás, essa é uma conclusão lógica que decorre da essência do próprio orçamento e dos interesses qualificados como público. Público é aquilo que pertence ao povo, e se pertence a todos, não pode ser usurpado por uma suposta quadrilha especializada em se apropriar do dinheiro público. 

 Tais pessoas tomaram tal adjetivo, por praticarem ações delituosas e inconsequentes contra o patrimônio público. Assim é que a empresa Monteiro Construções e seu sócio-proprietário, aparecem como autores de inúmeras irregularidades em processos licitatórios na cidade de Martinópole, obtendo vantagens indevidas para seu sócio-proprietário que esbanja poder no distrito de Parazinho. Tal cidadão é também investigado pelo Ministério Público Estadual sob suspeita de conduta delinquente quanto a sua atuação no município de Martinópole. 

 Vale lembrar que tal empresa também atuava nos municípios circunvizinhos, utilizando-se também de vultoso poderio econômico e político para corromper funcionários públicos, emitir notas fiscais fraudulentas, constituir pessoas jurídicas de fachada, utilizando-se de “laranjas”, fabricando licitações, tudo com intuito de praticar supostas lesões aos cofres públicos.  Esse comportamento ardil, malicioso fere a dignidade do povo que não aceita mais que conluios sejam praticados com objetivos de burlar a legislação.  Isso tudo caracteriza tais praticantes de atos delituosos, verdadeiras organização criminosas totalmente nocivas à sociedade. 

Confira AQUI a ação.

Fonte: Via Granja Hoje.com


Postar um comentário