terça-feira, 21 de outubro de 2014

AÉCIO E DILMA: OS DOIS FICARAM POR QUE SÃO OS MELHORES? E COMO SERIAM OS PIORES?



Com o título “Ai de nós, eleitores!”, eis artigo da jornalista Adísia Sá, que pode ser conferido no O POVO desta terça-feira. Ela lamenta o nível de baixaria na disputa presidencial. Chega a se perguntar a articulista: “Os dois ficaram por que são os melhores? E como seriam os piores?” Confira:

Quando um animal está acuado, enfrenta o inimigo com toda a força de que dispõe. Assim, também, o ser humano. Em época de eleição esse quadro se aguça e as máscaras caem e os indivíduos aparecem como são realmente. Nada de cosméticos, conselhos, assessores e marqueteiros. O que aconteceu na TV brasileira, 14 próximo passado, foi algo que me entristeceu, enojou: os dois restantes candidatos se digladiando, verbalmente, à nossa frente. Ali, eles eram o que realmente são.

Jornais deram o fato como “o mais agressivo confronto da campanha, até aqui, em debate na TV.” Dilma e Aécio, nervosos, irritados, mal educadamente se confrontaram. As máscaras, até então usadas, caíram e a cara de cada um tomou o vídeo de nossos televisores, ora de olhos esbugalhados, dentes à mostra, ora ironia no canto da boca. Triste, triste espetáculo. E são esses os candidatos que ficaram para nossa escolha. Dentre outros pontos que chamaram a minha atenção, um cresceu: a mineirice proclamada pelos dois: Aécio insistindo na imagem da família capitaneada pelo avô Tancredo e Dilma, na atividade profissional do pai ali desenvolvida, inclusive quando de seu nascimento. No mais, a troca de insultos de ambas as partes.

E eu me perguntando: meu Deus, os dois ficaram por que são os melhores? E como seriam os piores? Não, nós não merecemos isso. Quantos brasileiros não lutaram, inclusive a candidata Dilma, para termos um país livre, com direito a ir e vir, sem ter que mostrar internamente passaporte, independentes para escolherem nossos parlamentares, governantes, sem voto marcado e entregue à beira da urna? Esses são os melhores? “Leviana”… “confuso”. Quanta agressividade. E, ao meio dessas “cortesias”, as ofensas subliminares, os olhares irônicos. “Terreno particular para construção de aeroporto público”… emprego de irmã, três primas e três primos – denunciou Dilma… e por aí vai. Triste final de noite, esse do dia 14, quando os dois restantes candidatos à Presidência da República se desnudaram normalmente ante a Nação. “Help”, “socorro”, meu Deus, não merecemos isso: não é disto que o País precisa.

* Adísia Sá
adisiasa@gmail.com
Jornalista.



Postar um comentário