terça-feira, 23 de junho de 2015

URUOCA, SENADOR SÁ E MAIS OITO MUNICÍPIOS SÓ TERÃO ÁGUA ATÉ JULHO



Os manancias de 20 municípios cearenses vão secar nos próximos meses. Após uma quadra chuvosa que não conseguiu elevar o nível das bacias hidrográficas do Estado, será necessário recorrer a outras fontes para garantir o abastecimento da população. Itatira, Palmácia, Mulungu, Baixio, Umari, Ipaumirim, Pereiro, Uruoca, Senador Sá e Catunda têm água suficiente em seus reservatórios só até julho.

Outros dez municípios vão ter as fontes básicas de abastecimento extintas entre agosto e outubro - segundo Hélder Cortez, gerente de Saneamento Rural da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece).

A situação para o segundo semestre, explicam gestores e especialistas, é mais que preocupante. Quando considerado o Estado inteiro, 2015 é o quarto ano seguido com precipitações abaixo da média histórica e seca. Em algumas regiões, entretanto, como a Bacia do Curu, este é o sexto ano sem água. “O segundo semestre vai ser um período difícil para vários municípios. E Fortaleza precisa começar a contribuir com o uso racional de água”, lembra Débora Rios - diretora de Operações da Companhia Estadual de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh).

Futuro

Se a condição é de alerta nestes meses que sucedem a quadra chuvosa, a chegada do segundo semestre assusta. Na maioria dos municípios que terão manancias esvaídos brevemente, a solução é investir na abertura de poços. Segundo Hélder Cortez, encontros semanais estão sendo realizadas entre os órgãos que gerenciam os recursos hídricos no Estado para desenvolver e implantar soluções. Na ultima sexta-feira, 19, técnicos que estavam no Interior se reuniram com o gerente para compartilhar a situação e pensar o futuro.
Para junho e julho, a pós-estação, não há perspectiva forte de chuva. Como este período é caracterizado por sistemas climáticos extremamente variáveis, não é possível traçar previsões concretas, explica o meteorologista Leandro Valente, da Fundação Cearenses de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). Por isso, economizar toda a água armazenada é fundamental para manter o abastecimento no Ceará.

Em algumas cidades, poços já foram cavados e outros já começaram as perfurações, é o caso do município de Martinópole onde a administração pública vem tomando as providencias necessárias para amenizar a falta d água. A previsão é que o açude Martinópole (Jardim), único que abastece a cidade não terá água suficiente até outubro.

Em Novo Oriente, distante 397 quilômetros da Capital, o abastecimento vem sendo feito pelo açude Flor do Campo - que integra a lista de 33 reservatórios cearenses no volume morto. Pedro Brás, secretário da Agricultura do Município, aponta os poços como solução. “As autoridades locais estão preocupadas”, comenta.


Para reforçar a vazão, dois poços que já existiam dentro do açude estão sendo reativados. Eles foram construídos por proprietários dos terrenos que deram lugar ao reservatório e, com o baixo volume, foram encontrados. “O medo é ficar sem água em dois meses mesmo com os poços”, reconhece Pedro.

Reservas

Segundo boletim de monitoramento da Cogerh, dos 153 açudes cearenses, 33 estão no volume morto e 16 estão secos. Além desses reservatórios, responsáveis majoritários pelo abastecimento, as cisternas e os carros-pipa entram como alternativas para evitar colapso. Segundo Dedé Teixeira, secretário estadual do Desenvolvimento Agrário, a situação é mais confortável nas localidades que tiveram cisternas totalmente abastecidas. Mas, como os índices de chuvas se diferem entre as regiões, alguns depósitos só conseguiram a metade da capacidade. “Não pode ter uso irregular. Ou, em agosto e setembro, o interior começará a ficar muito dependente do carro-pipa”, diz Dedé. (colaborou Igor Cavalcante)



Com informações: O POVO



Postar um comentário