quarta-feira, 30 de outubro de 2013

SESSÃO DO TCM TERMINA COM TENSÃO E BATE-BOCA ENTRE MEMBROS DO PLENÁRIO

Não é de hoje que o Tribunal de Contas do Ceará (TCE) tem sessões marcadas por tensão de grupos opostos. Nos últimos dias a discussão tem aumentado e ganhado um nível elevado, como por exemplo, a sessão dessa terça-feira (29/10) que quase terminou em agressão física.

O fato aconteceu quando o presidente do Tribunal, Valdomiro Távora, e o procurador-geral do Ministério Público de Contas (MPC), Gleydson Alexandre, quase partiram para o enfrentamento após uma discussão. A sessão, que já estava com o clima elevado desde o começo, foi interrompida sem julgamento de processos.

Em discurso de despedida, Gleydson, que deixa a chefia do MPC neste mês, acusou o comando do TCE de “tentar enfraquecer” o Ministério Público, atribuindo à cúpula da Corte a iniciativa da proposta de emenda à Constituição que, recentemente, reduziu de seis para três o número de procuradores do Órgão. Gleydson também mencionou a decisão do TCE de impedir que o MPC solicite, diretamente, documentos e informações do Estado.

O presidente retrucou, alegando incompetência funcional do MPC para determinados procedimentos e apontando queda na produtividade durante a gestão de Gleydson: segundo Távora, o número de pareceres escritos caiu de 589 para 267, nos últimos dois anos.

Após ter o pedido de tréplica recusado pelo presidente do tribunal, Gleydson decidiu retirar-se da sessão. Nesse momento os dois ficaram frente a frente e houve troca de ofensas.

“Pois vamos resolver lá fora”, disse Valdomiro. A frase foi encarada como “pedido de briga” pelo procurador. Os dois deixaram o plenário com os ânimos exaltados e não voltaram a se encontrar.

Com informações: Jornal O Povo


Postar um comentário